Mapa do Site    |    Pesquisa
| Actividades Outras Actividades

Suplicantes

 

Entrada Livre

de Ésquilo

pelo Grupo de Teatro Thíasos    

 

 

                 
Encenação de Lia Nunes, a partir de uma tradução de Carlos Jesus  
 
 
 
 
 
 
 
15 de Maio de 2012
18h
Anfiteatro I
Suplicantes, de Ésquilo
 
teaser

 

Apresentadas pela primeira vez em data insegura, mas por certo na década de 60 do século V a.C., As Suplicantes são a primeira de três tragédias que Ésquilo dedicou à saga das Danaides, trilogia da qual fariam parte os dramas perdidos Egípcios e Danaides. As cinquenta filhas de Dânao, posto que as desejam para casar os cinquenta primos, filhos de Egito, fogem do Nilo onde habitam para pedir asilo político e religioso em Argos. Perante o rei dessa terra, portanto, suplicam por proteção, apresentando como argumento maior a descendência de ambos de uma mesma mulher, Io, num passado mitológico ainda mais remoto.
Chegadas à Grécia por mar, estas mulheres são o paradigma antigo de um grupo de exiladas – auto-exiladas, no seu caso – que reclama a proteção de outro povo, de outra cultura. A viagem é um motivo marcante em toda a peça, porquanto as Danaides estão ainda em trânsito entre dois países, entre duas nações. Recusam uma pátria que era a sua, de cuja linhagem real eram descendentes, e advogam a ancestralidade da sua origem grega para aí serem recebidas e protegidas dos primos que as perseguem, prometendo, mais do que um casamento nobre, a violência de umas bodas que lhes retirará os privilégios da sua nobreza e a autonomia de decisão. Estão em causa, como é natural, diversos condicionalismos políticos. Mas o drama destas mulheres – que, nas peças seguintes, seriam as assassinas dos primos, por ordem do pai – é facilmente identificável com o de tantas outras mulheres que, na linha do tempo que no essencial não muda, fogem a qualquer espécie de violência que lhes é imposta.
Bárbaras, chegam a uma terra que dizem ser a sua, mas quem as vê não consegue identificá-las como gregas. Apátridas, apavoradas pela hoste masculina de inimigos que sabe vir no seu encalce, este grupo procura nos altares dos deuses da nova cidade um refúgio que grego algum pode recusar. E os primos, "falcões no encalce das pombas de semelhante plumagem", chegam ávidos de sangue e vingança. No ar fica, para Gregos e Egípcios, a promessa de uma guerra pela posse das jovens. O sangue derramado, no campo de batalha e nos leitos nupciais nos quais havia de consumar-se o himeneu, fica desde cedo tragicamente indiciado.
Carlos Jesus, tradutor
 
 

Ficha técnica
 
Tradução e produção: Carlos de Jesus
Encenação: Lia Nunes
Direcção de atores: Ricardo Santos e Andreia Morado
Coreografia: Andreia Morado
Luminotecnia: Chayanna Ferreira
Sonoplastia: Ricardo Neiva
Multimédia: Rodolfo Lopes, Carlos de Jesus
Música original: Sónia Simões e Andreia Morado
Figurinos e caracterização: Lita Marcelino
Fotografia: Vitor Garcia
Voz-off: José Xavier, Ian Cezerin, Artur Magalhães, João Branco, Rui Gomes, Miguel Fonseca, Paulo Pinto, Luís Carvalho, Diogo Delgado, Ricardo Santos.
Elenco: José Ribeiro Ferreira (Dânao), Rodolfo Lopes (Pelasgo), Pedro Sobral (Arauto), Ana Seiça, Andrea Seiça, Carla Coimbra, Cátia Gouveia, Carina Fernandes, Cláudia Sousa, Daniela Pereira, Elisabete Cação, Iolanda Mendes, Marta Bizarro, Margarida Cardoso, Tânia Mendes (Suplicantes)